"E eles, quer ouçam quer deixem de ouvir (porque eles são casa rebelde), hão de saber, contudo, que esteve no meio deles um profeta"


Ezequiel 2:5

Você já ouviu falar da conceituada revista Digest Readers ?
Digest Readers é uma revista  revista mensal criada em 1922 por Lila Bell Wallace and DeWitt Wallace em ChappaquaNova YorkEstados Unidos.Publicada em 35 línguas e distribuída em 120 países, a revista é vendida predominantemente por assinatura.Circula desde 1922 nos Estados Unidos; no Brasil circula desde fevereiro de 1942.


Você sabia que esta revista já publicou uma matéria referente ao nosso amado Profeta irmão William Marrion Branham ? A edição de Novembro de 1952 realmente ficou marcada na memoria e no coração do mundo,pois retratou a luta de um pai para salvar seu filho, lutando contra diversas adversidades e desenganos da medicina, abandonando a razão e fazendo de tudo para chegar ao Profeta de Deus, como a sunamita e seu filho; ela soube que tudo estaria bem se ela simplesmente chegasse ao Homem de Deus.

E desta feita Deus tornou público a cura realizada na vida deste garotinho, chamado Donny Morton, que sofria de uma grave doença cerebral, provando que ele é Deus e não muda seu parecer! É o mesmo ontem e hoje e eternamente! Esta cura ficou mundialmente conhecida como " O milagre de Donny Morton", milagre este que você confere aqui, narrado por nosso amado Profeta! Que seja de alento espiritual ! E que possamos exercitar o canal da fé ! E mesmo quando a esperança estiver esvaindo, crer que no momento mais sombrio, é que Jesus aparece! Em nome do Senhor Jesus Cristo !



"Agora observem, amigos, farei uma pequena ilustração para vocês. Quero que vocês olhem para cá só um minuto. E prestem atenção ininterrupta porque vou contar-lhes uma parábola, e então vocês verão isso. Agora, no Reader’s Digest, estava escrito lá, eu me encontrava lá, estávamos com duas mil e setecentas pessoas esperando para receberem oração, que se encontravam lá. Vocês leram o artigo. E um homem veio do Canadá, e tinha um menininho que tinha estado na Mayo’s e na John Hopkins [Clínicas_Trad.], uma enfermidade cerebral grave, que contraía suas mãozinhas assim, e contraía suas pernas debaixo dele. E disseram: “Nem mesmo há operação, nem qualquer coisa que possa ser feito.” Então o levou de volta para o Canadá. Ele disse: “Ainda não estou derrotado.” Vocês têm a edição de novembro da Reader’s Digest, e chama-se o_o_O Milagre de Donny Morton. E_e então ele disse que esse, aí, que esse_que esse homem disse: “Ainda não estou derrotado, porque conheço um curador da fé chamado William Branham, que fez dois amigos meus que eram surdos e mudos falarem e ouvirem.” E telefonaram para tentarem descobrir onde eu estava, ainda nos_nos Estados Unidos. E eu estava em Costa Mesa, Califórnia. E é um artigo, quando você ler, prepare-se para chorar. Simplesmente partirá seu coração. Da forma que ele atravessou neve acumulada pelo vento, e tudo mais, com aquela criança! Ele disse: Cuidado, Donny.” Disse: “Agora, não estamos derrotados.” E o menininho nem conseguia sorrir, quase que não, de tão doente que estava. Disse: “Não estamos derrotados, vamos pedir a Deus. Chegaremos até o profeta de Deus e pediremos a ele.” De modo que atravessaram a neve. E até que enfim chegaram lá, e a mãe vinha com eles, e não tinham dinheiro suficiente para virem de avião, por isso mandaram a mãe de volta. E o menino e o pai tiveram que vir de ônibus, e da maneira que vieram desde lá de Winnipeg, Canadá, até Costa Mesa, Califórnia. E chegaram lá, sem dinheiro, e o pai conta a respeito de ter que trocar as fraldas dele, menininho com cerca de sete ou oito anos, completamente incapaz. E como ter chance de comer ou nada, e disse que seu filhinho apenas podia ouvi-lo falar. E podia notar da maneira que seus olhos olhavam, que ele estava_ele estava tentando sorrir, você sabe. E saber que ele Ele falava de diferentes vistas que estava vendo, nos Estados Unidos. E quando chegaram lá, a Califórnia, contaram para o assistente de viagem, o que ele veio ver. Ele disse: “Veio ver um divino o quê?” E uma grande interrogação. Claro, vocês podem imaginar o que os Estados Unidos disseram a respeito, veja você. Veja, é assim que somos, veja: “Somos tão inteligentes! Sabemos tudo, você sabe, e não precisa nos contar nada. Temos tudo escrito.” Está vendo? De modo que, então: “Um divino o quê? Veio de lá de Winnipeg, Canadá?” Ora, acharam que isso era horrível. De qualquer maneira, o jornal pegou um_um carro e o enviou para lá. E ele disse que, quando chegaram na fila, no ponto que estava, disse que duas mil e setecentas pessoas estavam esperando para receberem oração. Mas disse que, quando viram aquele menininho deformado, mirrado de aparência, e aquele pobre pai, de boné, seu casaco esfarrapado, disse que todos ficaram de lado e deram-lhe o lugar. Quando ele chegou na plataforma É contra a regra trocar de cartão de oração. A pessoa tem que vir à reunião e pegar seu próprio cartão. Ser for pego na fila, trocando cartão de oração com outra pessoa, o cartão de oração perde o valor. Está vendo? Porque precisa vir para ouvir as instruções e saber como recebê-lo. Depende de você. Não se pode pegá-lo para outra pessoa. Tem que vir e pegar para si próprio, para que ouça. Certa grande pessoa disse: “Se Bem, não acredito muito nesta coisa. Mas, talvez se Ele me curar eu” Você está vendo? E então isso causa agitação na plataforma, então eliminam isso antes que chegue aí. Então quando o menino começou, ou o pai começou a se adiantar na plataforma, na frente das pessoas, Billy pediu-lhe o cartão de oração. Ele não tinha um. Disse: “Então sinto muito, senhor.” Disse:
“Terá que esperar.” Ele disse: “Muito bem.” Disse: “Esperarei.” Disse: “Esperarei a minha vez como os outros, então.” Disse: “Não sabia que tinha de fazer isto.” E então eu estava falando com uma pessoa, ouvi isso por acaso. Vi aquele pai ir, e eu disse: “O que houve?” Ele disse: “Ele não tinha cartão de oração.” E Algo me disse: “Traga-o de volta.” Então eu disse: “Traga-o aqui.” E o pai subiu, e as lágrimas rolando no rosto, precisava fazer a barba. E ele_ele se aproximou, e eis o que o Reader’s Digest disse. Está vendo? Não fiz perguntas, mas olhei direto para o rosto do menino, disse de onde o menino era, que tinha estado na Clínica Mayo’s, e tudo que se tratava do que havia de errado com ele, quão doente esteve, e tudo mais. E então o pai começou a chorar, e começou a ir-se. E disse que começou a descer da plataforma, e virou-se, ele disse: “Isso mesmo, senhor.” Ele disse: “Mas, meu menino chegará a viver?” Eu disse: “Isso não posso dizer.” Eu disse: “Só um momento.” Vi uma visão aparecer. Eu disse: “O senhor não vai querer acreditar nisto, porque tanto a Mayo’s como a Hopkins disseram que aquela operação não poderia ser realizada nesse cérebro, mas eu lhe direi o que fazer. O senhor, amanhã, o senhor simplesmente siga em frente com este menino. Dentro dos próximos três dias encontrará uma mulher de cabelos pretos na rua, e essa mulher irá perguntar-lhe o que há com esse menino. E então ela irá contar-lhe sobre certo doutor do interior por aqui que pode realizar aquela operação, e o senhor não irá querer acreditar, porque a Mayo’s não quis tratar e disse: ‘Era impossível ser feito.’ Mas essa é a única chance que seu menino tem, através do poder de Deus, a misericórdia de Deus e essa operação. Agora, se crer que sou profeta Dele, vá fazer como lhe digo.” Como que colocar os figos em Ezequias, e assim por diante. Ele disse, ele virou e disse: “Obrigado.” Foi-se. Dois dias ou mais se passaram, e ele estava na rua um dia, e uma senhora se aproximou, disse: “O que há com o seu menino?” Disse: “Tem uma_uma doença cerebral.” E ele continuava a conversar assim. E, bem, eles_eles acharam que era terrível, você sabe. Então ele disse que dentro de só alguns minutos uma coisa aconteceu. Ela disse: “Senhor, conheço uma pessoa que pode fazer essa operação.” Ele disse: “Senhora, veja, a Irmãos Mayo desistiu e falou que não pode ser feito.” Disse: “Um homem aqui esteve orando por isso, chamado irmão Branham.” Disse: “Ele fez uma oração pelo menino.” Ele disse: “Espere um minuto! De cabelos pretos, usando casaco cinza.” Disse: “É ela.” Disse: “Onde fica esse médico?” E contou-lhe. Levou-o lá e o médico realizou a operação, o menino ficou bom. Agora, isso saiu no Reader’s Digest, veja você. E a Irmãos Mayo me chamou sobre em entrevista para isso. Disseram: “Rev. Branham, o que o senhor fez com o menino?” Eu disse: “Nada. Nem toquei nele. Só disse o que Deus me disse para dizer-lhe. Esse homem obedeceu.”
(Edição de Novembro de 1952)


Mas deixe-me dizer-lhe que não há um pouquinho da medicina que já chegou a curar alguma doença. E não há um médico, a menos que seja algum charlatão, mas um médico verdadeiro lhe dirá que não afirmam ser curadores. Bem na Irmãos Mayo [Clínica_Trad.], muitos de vocês já fui entrevistado aí, duas ou três vezes. De pacientes que saem daí, incuráveis Você leu a Reader’s Digest [Revista “Seleções”_Trad.], a edição de novembro? Quantos leram a edição de novembro, aquele artigo meu aí, na Reader’s Digest? Está vendo? E me chamaram lá, a entrevista sobre o bebê que tinham desenganado. Disseram: “Não poderia ser feito.” Mas o Espírito Santo falou comigo e me disse como que seria feito, e foi feito. Muito bem. Agora, chamaram-me lá. E bem acima da porta onde Jimmy e os outros, a Mayo ficava ali, tem uma grande placa que diz: “Não professamos ser curadores. Apenas professamos auxiliar a natureza. Há um Curador, que é Deus.” Eles são os melhores do mundo. Agora, temos uns charlatões, sim. Isso mesmo. Também temos uns pregadores charlatões. Muito bem. De modo que, acontece em ambos os lados. ( Demonologia - Estado Fisico Paragrafo 73)

(Extrato da publicação original em Novembro de 1952)

 Com pressão e aflito, de nascimento; completamente endireitado, e saem, normal e bem. Vêem? Estas são declarações, os médicos e os irmãos Mayo. E vocês viram isto na Reader’s Digest, há não muito tempo atrás, Donny Morton, O Milagre de Donny Morton. Aquela criancinha ali na Califórnia, na Assembléia de Deus, lá embaixo naquela escola, Escola Bíblica Sudoeste, Aquela criança estava tão desfigurada e aflita que até mesmo os John Hopkins e os irmãos Mayo disseram, “Não há nenhuma chance terrena para ele”. Mas o Senhor é o Assim Diz o Senhor. Aquilo foi diferente, vêem? Não vá sem esperança. ( Suas infaliveis palavras de Promessa 162)

Ele é o Mesmo ! Ontem e Hoje e Eternamente !
Hebreus 13:8